segunda-feira, 28 de março de 2011

Psicopata

Os olhos dilatados são o peso da raiva contida, as mãos em punho, o sorriso irônico, fazem dele um ser estranho e incorrigível, ele sabe por onde andar e sabe como se esconder.
Ri do impossível, chora pela alegria e mata por vitória.
Antigamente, ele caminhava por entre flores vermelhas, amarelas e brancas. O perfume das rosas, o vento assobiado pelas árvores era o motivo de pacificação. No final do caminho ela estava lá. Ela flutuava no ar, e seu vestido era branco, leve e ondulante, ele sabia que iria encontrá-la no final do sonho, mas tinha medo.
Quanto mais se aproximava, mais o medo o sufocava. De repente, a noite se fez obscura e imaginativa, e logo ele estava na frente dela.
Porém, sonhos são apenas o unico lugar, em que existe verdade. Pois o que ele é, é o que ele será até o fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário